Tua Glória

Pesquisar neste blog:

jueves, 27 de abril de 2017

AO NACIONAL E COMUNIDADE INTERNACIONAL:

AO NACIONAL E COMUNIDADE INTERNACIONAL:


LÍDERES DE mundo indígena e movimentos sociais:
Wayke PANAKUNA, irmãos e irmãs:

Desde o ayllu Ipokate Kollasuyu Puno Lampa, volto-me para o povo peruano para declarar o seguinte:

Que Nossa população original Runa, o Kollasuyu Peru Tawantinsuyu, foi o estado de emergência da ONU, lidar com projetos de extrativos efeitos de investimento privado de poluição ambiental que se tornaram os maiores executivos de ameaças da coexistência lei da Paz.

O governo, citando "um levantamento indefinido de Quechua Aymara pessoas de Kollasuyo" no departamento de Puno, em maio de 2011, 18 índios foram relatados para o Ministério Público, na região de Puno, funcionários públicos que trabalham para empresas de mineração contaminando a vida, a água, a biodiversidade, o ambiente do meio do Departamento de Puno. Eles denunciaram líderes ambientais, por EXP. No. 00682 - 2011 formulada pela personalidade de Ramon Casa Pari. Indiciamentos sobre a exigência de que solicita ao juiz 2ND. TRIBUNAL DE INVESTIGAÇÃO PREPARATÓRIA Puno, líder Quechua contrário PABLO SALAS LAGOA e Outros consideram o falecido juiz Cristian Chiri Superior Tribunal de Puno admitidos e depois de ouvidas as alegações da denúncia, se ergue agora o processo em tribunal ORAL, eo Julgamento Procurador-Geral um carregamento de Dr. Juan Monzon Mamani ......... imputando Provincial Promotoria de Crimes contra a propriedade na forma de extorsão, motim, conduta desordeira contra o Estado e outros.

Sem a oportunidade de profunda investigação e do pecado ser capaz de ter uma defesa oportuna", violando assim: normas de direito nacional e internacional.

Apesar de aduzindo o "trabalho por tempo indeterminado de Quechua Aymara pessoas de Kollasuyo" UN a petição apresentada pelo acusado em Antropológica especialidade era DeCLARA Infundado

Neste estudo há discriminação racial sempre que o procurador e julgar um carregamento de Preparação, começou a processar os e violando o direito irrestrito de fazer uso de nossas línguas indígenas Quechua e Aymara Porque nós somos povos indígenas e comunidades camponesas, como tal, é o momento em que foi exigida a ser orientada tradutores ou intérpretes julgados por isso não leis e regras modelo ocidental entendido.

Em direito penal do delito. SEÇÃO III, o Art Jurisdição. 18 Limitações de competência genérica, argumentando que o incidente ocorreu na cidade sem APLICA SE justiça ESTA.
Nesta parte do país há respeito pela Convenção Americana sobre Direitos Humanos (CADH) e no Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos (PIDCP).

Em um discurso transmitido pela mídia de Lima Em 28 de julho de 2015, o ex-presidente do Peru Ollanta Humala, dedicado parte do seu discurso para atacar, mais uma vez, um dos líderes das Organizações Indígenas do Peru, apontando que "vândalos, anti sistema, o anti mineiros não será capaz de desestabilizar o processo de crescimento econômico, frontal lutar contra os criminosos, azuzadores de violência". É possível daqueles que defendem os direitos das pessoas do Peru, um que defendem os direitos da Mãe Natureza e um décimo que toda a verdade, ser aplicadas a nós leis como um narco-criminosos, corruptos, assassinos, estupradores.

Estes ataques contra defensores de Vida, Água, Terra e Direito Ambiental dos Povos A Estes defensores da Mãe Terra, estão sendo travadas política, militar e legalmente do Ministério Público e do Poder Judiciário, utilizando dezembro Legislativo: 1015 , 994 e Outros decretos legislativos último 28 de junho de 2008, uma vez emitidos, criminaliza o protesto. Ao mesmo tempo proteger um ex-presidentes e ministros Cometidos ao processo LAVA JATO.

A situação de pressão política de empresas de mineração atingiu tal ponto que os membros do Ministério Público qualificar para atos criminosos mede os protestos, que é o CNDDHH do Peru deverá informar e cumprir antes de os departamentos de a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) CESE afirmar intimidação.

Em 10 de outubro foi publicada a pedido do Procurador Provincial de Puno a uma pena de 18 a 28 anos de prisão contra líderes políticos de organizações indígenas no sul do Peru; É a pena máxima para os crimes de que é acusado Pablos Salas Pond, por solidariedade com marcha contra o governo em defesa da vida, água e terra.

Cada povo tem o direito de lutar parceiro económico crime ambiental; e funcionários do Estado que servem as empresas de mineração não têm direito de caluniar e difamar; menos para distorcer a administração da justiça; de modo que o processamento deve ser feita sob rigorosa observância do direito ao devido processo e, a qualquer momento, utilizar o direito penal para criminalizar oponentes líderes políticos originários, ou restringir o direito de protestar.

O facto de se ter conseguido revogação S.D. 033-2011-PCM, assinado por Alan García, D. S. 083 Revogar o EM 2006- mesmos que emite e que revoga também devem ser citados e alcançar a queixa-crime, ser politicamente responsável.

Não há nenhuma evidência para mostrar uma causa e efeito entre a solidariedade ou a declaração de apoio de uma marcha, ou manifestação Socioambiental política, sendo um discurso semelhante ao mesmo solidariedade com o povo AGRO disse opinião foi dada SE ... MINES Não ou água se ... ouro No.

Em contraste CASE Azángaro no aeroporto de Juliaca, deixar 06 mortos, causada pelo então ex-presidente Alan García Perez, agora seu ser imediato ex-autor presidente Procuradoria Juliaca concluiu declarada inadmissível e arquivado pesquisa criminoso".

Pelas mesmas razões, que merece uma chamada a partir da fazenda, organizações indígenas nos movimentos continentais direitos de nível e humanos e instou as organizações de direitos humanos no Peru, que deve decidir e mostrar solidariedade com as autoridades comunitárias nativas e criminalizada; e o atual presidente Pedro Pablo Kuczynski, da República do Peru, a cessar toda perseguição de defensores dos direitos humanos, uma vez que obriga a Convenção Americana sobre Direitos Humanos e outros tratados internacionais.

No caso da região de Puno criminalizar a "oposição" é uma constante e mostrar nossa rejeição e exortar funcionários ligados a empresas poluidoras parar de usar o Estado peruano para fins privados e parar a perseguição.

Estamos alarmados que, a partir de um estado ilegal de emergência imposto pelo Ministério Público hoje através de julgamento sem instrumentos de teste têm mostrado, por ordem de "investidores" estrangeiros, na recomendação de empresários privados, centenas de pessoas os peruanos estão sendo processados ​​no Peru, sem respeito pelos seus direitos, utilizando testemunhas anónimas alegados, gerando assim um risco para garantir o seu direito à habitação, à liberdade, à integridade pessoal, entre outros.

Como Kheswa desta região de Puno eu chamo Alto Comissariado para Direitos Humanos da ONU, a Corte Interamericana de Direitos Humanos, para intervir, para instar o governo peruano sobre a cessação da violação dos direitos humanos com líderes Quechua.
Assim, o atual governo viola relatórios de direitos humanos sistematicamente, embora o governo peruano ratificou a Convenção OIT 169 da OIT, em 1995, sendo este o cumprimento pelos estados, no entanto, o Estado peruano não está em conformidade com as convenções internacionais , sendo esta parte da protecção dos direitos humanos fundamentais, nos termos do artigo 7 da Convenção 169 da OIT, 1. os povos interessados ​​deverão ter o direito de decidir suas próprias prioridades no que respeita ao processo de desenvolvimento, na medida em que afecta as suas vidas, crenças, instituições e bem-estar espiritual e as terras que ocupam ou não usar, e de controlar, na medida do possível, seu próprio desenvolvimento econômico, social e cultural.

Além disso, eles devem participar na formulação, implementação e avaliação dos planos e programas de desenvolvimento nacional e regional suscetíveis de afetá-los diretamente.

O governo peruano age contra as comunidades indígenas como colônias invadir impõe sangue e fogo expropriar as terras que ocupam ancestralmente e estes são concessionada a empresas estrangeiras e que estes, por sua vez poluir os rios, ar e terra das comunidades, ONU, em conformidade com o artigo 3 da Convenção nº 169 OIT.- 1. Os povos indígenas e tribais deverão gozar de direitos humanos e liberdades fundamentais, sem obstáculos nem discriminação afetados estão protegidos. As disposições do presente Acordo aplicam-se sem discriminação aos homens e mulheres desses povos. Nenhuma forma de força ou coerção que viole os direitos humanos e liberdades fundamentais dos povos interessados ​​não devem ser utilizados, incluindo os direitos enunciados na presente Convenção.

A criminalização é a mais extrema das medidas que um Estado pode tomar por causa da enorme impacto sobre a vida pessoal e familiar.

Com a esperança de que o diálogo diplomático entre os líderes indígenas e governo parceiro ambiental de Peru, para enfrentar e superar esta situação de violações de tensão e de direitos humanos na região de Puno.

Os argumentos já referido, como um cidadão do Peru Tawantinsuyu, de origem indiana, peço que respeitem a vida, o respeito pela liberdade e respeito pela nossa terra, somos possuidores antes da colônia, que são severamente afetadas pelas invasões de nossas terras pelo estado peruano em favor de empresas de mineração privadas e é por isso que solicitaram a intervenção da ONU especial, para que ele possa proteger, liberdade e bem como a protecção da vida do ser humana e é por isso que não deve ser penalizado indígena, que havia protestos era proteger suas terras e o direito à vida.
Esta medida da mineração transnacional via a acusação de ser um criminalização fato e encarceramento será uma derrota dos líderes e autoridades comunais a qualquer ato de defesa para a mãe terra é criminalizada, consequentemente, espera-se uma justiça justa desde a sua origem assistindo Nós encorajamos o lado político eo nativo profunda Peru ganhou.
Não a perseguição de líderes sociais por parte das autoridades judiciais e, ao mesmo tempo, exigir a cessação da repressão indiscriminada das pessoas eo uso de armas letais pela polícia e militares.

Pablo Salas Pond originários da ayllus (comunidades) de Tawantinsuyu (Peru), nenhuma luta canon ou para mais royalties, nossa luta é histórica, defendemos a soberania nacional, defendemos nosso território, que pertence a nós por milhares de anos , defender a vida, água, sol, terra, o respeito pelo ser humano, o respeito à mãe terra, mãe natureza, vivendo em harmonia com o meio ambiente.
                                                                                                                               
A partir desta heróica cidade de integração andina Juliaca, eu apelo aos líderes e autoridades comunais Puno e do Peru Região, a questionar o atual governo para a política colonialista desumano do neoliberalismo e tomar medidas imediatas contra violações e violação dos os direitos coletivos dos povos
                                                              Fraternalmente.

                                                                                                                                         

PABLO SALAS LAGOA
PDTE CORECOQA
# 990070766
runapasacha@gmail.com
https://youtu.be/5YQM1t0slwc
https://youtu.be/4UGYUYV4Cyw
https://youtu.be/xU-oYGpjkwI,
https://www.facebook.com/174097522954708/videos/420997411598050/

Em 26 de Abril de 2017, 21:55, Pasacha Kheswa <runapasacha@gmail.com> escreveu:





Esperamos sua SOLIDARIEDADE

NO CASO AYMARAZO 2011, esses líderes DIREITOS DEFENSORES DO POVO, o território de vida, enfrentando acusações do Procurador DE CONDUTA refutável, o poder das empresas de mineração transnacionais, através do Estado tentativa de silenciar A VOZ DA líderes nativos QUECHUA aimará, passou os líderes mulheres ORIGINARIAD ayllus QUECHUA área de sua líderes defendendo acusado injustamente. TESTEMUNHAS imorais pode perguntar se você ama seu parceiro? QUANDO SEU CURRÍCULO RESUME U acusador é escuro.

Ele colegas Queridos, irmãos e irmãs, assistência jurídica defesa técnica tem um custo, uma vez que os advogados permanecem o dia todo ouvindo e defender o acusado e parar de assistir seu outro patrocinado, porque ele é um fundo necessário para cobrir a demanda despesas, também a transferência da comunidade para o judiciário e estão acelerando conforme o necessário para passar a noite em Puno até o dia seguinte. O seu apoio será valiosa, graças los Pond jurisdizado Pablo Salas.


Francisca Sarmiento afirma inocência porque ele não estava envolvido na "aimarazo"
Julgamento contra ex-líderes e moradores da zona sul está em curso

HOJE 10 de abril de uma das secções do Judiciário de Puno, está declarando testemunha sem rosto o Ministério Público, o que confirma a acusação contra líderes ambientais que defendem água, vida, terra, oramos à justiça justa Pachamama.



Rota da sabedoria - A unção de Deus